Cartão de enfrentamento para reestruturação cognitiva

Cartão de enfrentamento para reestruturação cognitiva

A Terapia Cognitivo-Comportamental detém um arsenal de técnicas capazes de tornar o tratamento de cada paciente mais dinâmico e mais produtivo. Uma dessas técnicas é o cartão de enfrentamento para reestruturação cognitiva.

Trata-se de uma técnica que pode ser aplicada para o tratamento de vários tipos de demandas na clínica, com o foco na reestruturação cognitiva. Sendo assim, por meio da aplicação dos cartões de enfrentamento, o paciente consegue visualizar com maior clareza os pensamentos e comportamentos disfuncionais que atualmente estão causando sofrimento mental e, assim, elaborar estratégias para reestruturá-los.

Podemos entender os cartões de enfrentamento como frases motivacionais e realistas que ajudam os pacientes a encontrarem e manterem o foco, ou até mesmo conseguirem enxergar certos acontecimentos por uma lente menos negativa, mesmo em momentos em que tudo parece desmoronar.

Neste artigo, apresentaremos o conceito de cartão do enfrentamento, ensinando também como ele pode ser aplicado de forma assertiva na clínica.

O que é cartão de enfrentamento

Desde seus primórdios, a Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) busca estruturar soluções que ajudem o paciente a enfrentar os seus problemas de forma saudável. Nesse contexto, Judith Beck (1995), elucidou uma técnica que conseguiria atingir esse objetivo: os coping cards.

A técnica elaborada por Judith propunha a elaboração de cartões que registram conteúdos discutidos durante as sessões. Os cartões seguem basicamente o mesmo raciocínio de outras técnicas complementares aos tradicionais métodos da Terapia Cognitivo-Comportamental.

Eles podem ser usados como lembretes mais visíveis e fáceis, com informações práticas sobre como enfrentar situações problema. Dessa forma, o paciente consegue, constantemente, recorrer a um ponto de apoio para dar forças para enfrentar determinadas situações estressoras.

Quando traduzido para o português, o termo coping cards pode ser entendido como cartões de enfrentamento (J. Beck, 1997; J. Beck, 2013), fichas ou cartões de autoajuda (J. Beck, 2007), lembretes (Cordioli, 2004) e até mesmo cartões-lembrete (Knapp et al., 2004). 

Mesmo com diversas possíveis traduções, Judith Beck afirma que os cartões têm sempre três principais objetivos: registro de pensamentos automáticos em um lado, com sua respectiva resposta adaptativa do outro; apresentação de estratégias comportamentais para uso em situações disfuncionais e elaboração de autoinstruções motivadoras.

Knapp et al. (2004) afirma que o cartão de enfrentamento é uma técnica cognitiva para apontar pressupostos e regras originados de crenças subjacentes, com o propósito de reescrevê-las. Novos pressupostos e regras mais funcionais precisam ser constantemente lembrados e colocados, aos poucos, no lugar dos antigos, até o momento em que o indivíduo se sinta confortável ao agir de acordo com essas novas regras (Fennell, 1989, citado por Knapp et al., 2004). 

Ademais, o cartão de enfrentamento pode ser aplicado de forma concomitante a outras técnicas da TCC que o terapeuta entenda como necessário e positivo. A reestruturação cognitiva propõe justamente isso, que o terapeuta se equipe das mais diversas técnicas que se complementam para promoção do bem estar do paciente.

Como aplicar a técnica do cartão de enfrentamento

Fazer um cartão de enfrentamento pode parecer fácil, pois trata-se da escrita de motivos que possam ser úteis para dar força ao paciente para enfrentar seus medos. Contudo, nem sempre é fácil para o paciente pensar nessas frases.

Nesse contexto, o terapeuta deve orientar o paciente a escrever os cartões em um momento em que as coisas estejam relativamente bem e suas ideias estejam tranquilas. Outro ponto importante é frisar que esses cartões precisam estar com o paciente a todo o momento, para que ele consiga se apoiar neles em quaisquer situações. 

Com o avanço da tecnologia, esses cartões podem ser feitos no próprio bloco de notas do celular, caso o paciente prefira. Se ele se sentir mais confortável em ter um papel físico para apoio, é importante que ele escolha um tamanho que caiba na carteira e/ou bolsa, por exemplo. 

O cartão de enfrentamento deve ser lido todos os dias, preferencialmente pelo menos duas vezes, mesmo que nesses momentos o paciente já esteja se sentindo motivado. É sempre bom reforçar o ânimo e ajuda a criar um hábito. 

O terapeuta também tem o papel de acompanhar a utilização desses cartões, sempre investigando, ao longo das sessões, a frequência com a qual o paciente os tem usado, bem como os efeitos que eles possam estar causando em seus comportamentos, pensamentos e sentimentos.

Outro ponto importante que deve ser frisado é que não há quantidade estipulada que seja adequada para os cartões, pois o paciente pode escrever quantos ele achar que precisa. A quantidade de frases em cada cartão também pode variar, visto que, a depender do pensamento disfuncional, o paciente poderá precisar repetir mais de uma frase para se manter motivado à mudança positiva.

Se o paciente tem baixa autoestima em virtude de uma compulsão alimentar, ele pode escrever cartões de enfrentamento com frases do tipo:

  • “consigo satisfazer minha forme com apenas um hambúrguer”;
  • “vou melhorar minha autoestima”;
  • “estou em sintonia com meu corpo”;
  • “viverei por mais tempo ao me alimentar melhor”;
  • “vou conseguir caminhar por vários lugares diferentes”.

Ainda nesse exemplo, o terapeuta deve frisar que o paciente deve recorrer ao (s) cartão (es) e lê-lo (s) sempre que sentir vontade de comer algo que não está programado ou até mesmo em uma quantidade exagerada.

Se for jantar com amigos, deverá ler o (s) cartão (es) antes também, bem como se estiver com vontade de comer doce ou carboidratos gordurosos e fritos. O paciente precisa entender que é necessário lê-lo (s) sempre que se sentir mais para baixo ou pensar em desistir do seu objetivo.

Exemplo de cartões do enfrentamento

CARTÃO DE ENFRENTAMENTO 1
Me sentir linda
Comprar a roupa que quiser
Eu consigo realizar meu trabalho
Ter mais energia
Não me sentir incomodada pelo meu peso

O cartão de enfrentamento é uma técnica extremamente valiosa apresentada pela Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC), que tem como principal objetivo a reestruturação cognitiva. Ou seja, substituição dos pensamentos disfuncionais que causam sofrimento mental e nutrem comportamentos disfuncionais.

Dessa forma, o paciente consegue aumentar sua própria forma e autoestima, encontrando as motivações necessárias para enfrentar as mais diversas situações estressoras. Para isso, é importante que todos os cartões estejam sempre de fácil acesso, para que ele consiga recorrer a eles sempre que necessário.

Levando seus tratamentos para um próximo patamar

Como você viu no texto, os cartões de enfrentamento para reestruturação cognitiva são muito utilizados dentro da Terapia Cognitiva-Comportamental (TCC). E que tal você se tornar um especialista em TCC para poder impactar ainda mais a vida de seus pacientes?

O IPTC conta com um curso de Terapia Cognitiva-Comportamental totalmente voltado para a prática! Você terá aulas sobre o assunto com uma estrutura e metodologia validadas por nossos + 1.000 alunos.

Conheça mais sobre o nosso curso!

41 3022-2947
WhatsApp: (41) 9 9263-2977
contato@iptc.net.br

SEDE INSTITUCIONAL
Rua Emiliano Perneta, 822 sl 1201
Centro, Curitiba / PR

SEDE ADMINISTRATIVA
Rua Emiliano Perneta, 10 sl 603
Centro, Curitiba / PR

IPTC - Instituto Paranaense de Terapia Cognitiva.