Estresse Pós Traumático: O que é, Como Identificar e Tratamento

Estresse Pós Traumático: O que é, Como Identificar e Tratamento

O que é o estresse pós traumático?

O transtorno de estresse pós-traumático é um disturbio de ansiedade que afeta pessoas que sofreram traumas muito grandes, geralmente envolvendo ameaça a sua vida ou à vida de terceiros. A pessoa passa a sentir medo em situações do seu cotidiano.

A pessoa geralmente revive a situação estressante em sua memória, passando a sentir novamente a dor e sofrimento que passou no momento, como se aquilo estivesse acontecendo no momento, causando nas pessoas repercussões no campo físico e emocional.

O que causa estresse pós traumático?

Situações como sequestro, guerras, assaltos, ameaças, violência física, abuso sexual, tortura, acidentes, são alguns exemplos de eventos que podem levar o paciente a desenvolver o distúrbio.

As situações podem afetar cada pessoa de forma diferente, e alguns podem ser mais suscetíveis a desenvolver o transtorno.

Na infância, crianças vítimas de bullying, violência doméstica também tornam-se mais vulneráveis a doença.

Como identificar estresse pós traumático?

Os sintomas do estresse pós-traumático podem aparecer em qualquer faixa etária, e pode levar muito tempo do episódio para que eles comecem a aparecer. Os sintomas são divididos em categorias, sendo elas:

Reviver a experiência

São aqueles momentos em que a pessoa revive os momentos de trauma. Acontecem flashbacks, pesadelos, e lembranças do evento negativo.

Distanciamento e fuga

A pessoa passa a ficar distante e se afastar de parentes e amigos. Passa a não querer mais realizar suas atividades, até mesmo aquelas que antes eram prazerosas.

Ocorre também o afastamento de qualquer evento que possa desencadear as lembranças traumáticas.

Pode haver também a amnésia dissociativa, em que a pessoa não lembra de alguns detalhes do trauma, havendo a repressão dessas memórias pelo sistema nervoso.

Hiperexcitabilidade psíquica

O paciente passa a apresentar distúrbios de sono, falta de concentração, irritabilidade. Além disso, podem aparecer reações de fuga e crises de pânico.

Pensamentos negativos

Os pensamentos negativos da pessoa em relação a ela mesma surgem. Um exemplo disso seria em um acidente de carro, onde apenas ela sobreviveu, ela passar a se culpar, ou dizer que é o motivo do evento ter acontecido. Pode também passar a ter medo constante, e pensamentos de desconfiança a partir de todos. Além disso, a pessoa ainda pode ter pensamentos de que os sintomas do trauma não são curáveis, e que ela está com a mente arruinada pra sempre.

Diagnóstico

Para que seja feita o diagnóstico médico, além dos sintomas é essencial que o profissional avalie:

  • Se a pessoa foi exposta a um evento traumático diretamente ou indiretamente
  • Se os sintomas tem aparecido no período de tempo de um mês ou mais
  • Caso esses sintomas causem angústia ou estejam prejudicando o desempenho do paciente de forma significativa
  • Avaliar se os sintomas não podem ter sido causados por conta de outro transtorno ou sejam causa do uso de medicamentos.

Quais são as pessoas mais afetadas?

A propensão para desenvolver o estresse pós-traumático encontra-se em pessoas cuja ocupação aumenta o risco de exposição traumática. Sendo assim, podemos citar como exemplo veteranos de guerra, policiais, bombeiros, socorristas.

A maior parte dos pacientes está entre sobreviventes de estupro, combate e captura militar, sobreviventes de campos de concentração e genocídio, com motivação étnica e política.

Crianças que tiveram problemas emocionais até seus 6 anos, ou que tenham algum transtorno mental prévio também estão mais suscetíveis.

Pessoas de classe social mais baixa, que tiveram privações socioeconômicas, status de minoria racial, ou separação e morte dos pais.

Outro ponto que também deve ser levado em conta, é que quanto mais grave for o trauma (maior a magnitude), maiores são as chances do desenvolvimento do TEPT.

Estresse pós-traumático pode causar depressão?

É muito comum que pessoas que estão passando pela situação de estresse pós-traumático, possam apresentar sintomas de depressão.

Quando a pessoa passa a buscar o afastamento social, ou até mesmo das atividades do seu dia a dia, um transtorno depressivo pode se desenvolver, caso não haja tratamento.

Consequências do Estresse Pós-Traumático

As principais consequências do transtorno estão na vida social, profissional e física do paciente.

Como ele passa a se afastar de pessoas próximas, de situações do cotidiano, isso passa a afetar suas relações pessoais negativamente.

Já na área profissional, outros fatores como a diminuição da concentração e consequentemente da produtividade, também prejudicam o paciente. Sendo que, além disso, há o fator financeiro, por conta dos altos níveis de utilização de serviços médicos.

Como se recuperar?

Para tratar o transtorno de estresse pós-traumático encontram-se várias alternativas, sendo elas:

Psicoterapia

A psicoterapia consiste basicamente no tratamento e acompanhamento médico do paciente, por um psicólogo.

Nesse caso, o paciente é conduzido pelo psicólogo a aprender a conviver com o evento traumático. Uma abordagem muito utilizada na psicoterpia é a Terapia Cognitivo-Comportamental, em que ajuda a pessoa a perder o medo deixado pelo evento traumático.

Nas sessões, o profissional conduz a pessoa para que ela entenda como esse evento está lhe impactando, como isso pode ser superado, e consequentemente os sintomas irão diminuindo.

Medicamentos

Além da psicoterapia, há casos em que são necessários remédios para complementar o tratamento. Os principais medicamentos utilizados nesses casos são antidepressivos e ansiolíticos.

Nesse caso, o tratamento deve prosseguir com um psiquiatra, que irá prescrever e recomendar o medicamento e a dose correta para cada caso.

41 3022-2947
WhatsApp: (41) 9 9263-2977
contato@iptc.net.br

SEDE INSTITUCIONAL
Rua Emiliano Perneta, 822 sl 1201
Centro, Curitiba / PR

SEDE ADMINISTRATIVA
Rua Emiliano Perneta, 10 sl 603
Centro, Curitiba / PR

IPTC - Instituto Paranaense de Terapia Cognitiva.