Disfunção Sexual: O que é, Classificação e Quem Atinge

Disfunção Sexual: O que é, Classificação e Quem Atinge

O que é disfunção sexual?

É chamado de disfunção sexual dificuldade presente em qualquer fase da atividade sexual. Inclui perturbações do desejo, excitação e orgasmo. As disfunções prejudicam, em diferentes graus, a vida sexual dos indivíduos e casais, afetando a qualidade de vida das pessoas e podendo ser causa de inúmeros problemas de relacionamento e de saúde emocional.

As disfunções sexuais podem estar presentes de forma isolada. Mas muitas vezes, mais de uma delas podem aparecer, de forma concomitante ou sequencial, em uma mesma pessoa. Essas situações são consideradas indicadores de gravidade por aumentar a insatisfação sexual.

Além disso, a presença de alguma disfunção em uma pessoa, pode ser causa de outra disfunção em seu parceiro. As disfunções sexuais estão presentes em todas as idades e seus aparecimentos podem ser repentinos ou arrastados.

Classificação das disfunções sexuais

O estudo das disfunções sexuais é dificultado pela ausência de concordância entre os diferentes sistemas de classificação diagnóstica e entre as diferentes especialidades médicas e psicológicas envolvidas em seus tratamentos. Mas no geral, as disfunções podem ser divididas em quatro grandes grupos, comuns tanto em homens como em mulheres.

Desejo Sexual

O primeiro grupo é composto pelas desordens do desejo sexual. Elas se manifestam pela diminuição da libido, definida como redução ou ausência do interesse ou desejo pelo sexo. No seu extremo, pode ocorrer evitação até mesmo de assuntos relacionados com a sexualidade.

Excitação Sexual

O segundo é relacionado às disfunções da excitação sexual. Nas mulheres eles se manifestam através da incapacidade de ficar fisicamente excitada ou estimulada durante a atividade sexual. A disfunção erétil, dificuldade para estabelecer ou manter a ereção, é a manifestação masculina desses transtornos.

Perturbações do Orgasmo

Segue o grupo das perturbações do orgasmo. Nas mulheres apresentam-se como dificuldade ou ausência do clímax sexual ou orgasmo. Nos homens ocorrem quando a ejaculação torna-se lenta ou inibida. Ao ponto inclusive de se tornar totalmente ausente.

Dor

Finalmente, o quarto grupo é o das disfunções relacionadas com dor. Este grupo é mais heterogêneo que os anteriores e onde encontram-se as maiores divergências entre os especialistas.

Nas mulheres encontramos a dor durante o ato sexual, chamada de dispareunia. Também o vaginismo faz parte desse grupo. Assim é chamado a contração involuntária dos músculos anteriores da vagina, no início da relação. Ambas as disfunções podem impossibilitar a realização do ato sexual.

A dispareunia ocorre também entre os homens, com diferentes graus de gravidade. A ejaculação precoce, causa de grande dor emocional, também pode ser classificada nesse grupo. Esta é a disfunção da ocorrência muito rápida do orgasmo masculino, interrompendo precocemente o ato sexual.

Outro denominador comum das disfunções deste grupo é que todas potencialmente podem impossibilitar o início de uma relação sexual satisfatória.

Quem sofre com a disfunção sexual?

Muitos levantamentos epidemiológicos sobre a incidência e a prevalência das disfunções sexuais de qualidade já foram realizados em diferentes regiões geográficas. Entretanto é grande a variação entre as diferentes taxas encontradas. A explicação para esse fenômeno é que os estudos não são uniformes em relação aos critérios diagnósticos e as metodologias de seleção empregados. No entanto, é possível apresentar medianas baseadas em alguns dos estudos principais.

Informações Gerais de Gênero e Idade

A prevalência encontrada da manifestação média de pelo menos uma disfunção sexual em mulheres adultas foi 40%- 45%. Entre os homens adultos ela foi 20% – 30%. Mesmo assim, a taxa de mulheres que relataram a presença de sofrimento relacionado com as disfunções sexuais foi significativamente menor.

Os levantamentos demonstraram uma tendência da incidência das disfunções sexuais aumentar de acordo com a idade. Essa tendência manifestou-se mais estre os homens.  A dispareunia e a ejaculação precoce não apresentaram variação de acordo com a idade.

Quais disfunções são mais frequentes?

Mulheres

A distribuição entre os gêneros das diferentes disfunções sexuais também foi estudada. Entre as mulheres a prevalência vida média das disfunções do desejo e excitação sexual foi 34% e das perturbações do orgasmo foi 27%. A dispareunia e vaginismo juntos apresentaram 16% de prevalência vida. Os levantamentos não foram uniformes, mas eles mostraram uma tendência de variações geográficas dos resultados. Por exemplo, foi maior a incidência de disfunções sexuais entre as mulheres da África.

Homens

A prevalência vida da diminuição do desejo sexual foi maior entre homens com mais de 60 anos de idade, atingindo a média de 20%. A disfunção erétil apresentou a prevalência média de 18,5% e também foi maior entre os homens com mais idade. Já a ejaculação precoce foi encontrada distribuída uniformemente entre todas as idades, sendo 19,5% a média geral. A taxa geral de dispareunia entre os homens foi 16,5%. E foi encontrada uma tendência, entre os homens da Ásia, de uma maior incidência de disfunções sexuais.

O estudo das variações epidemiológicas segundo gênero, idade e localização geográfica permite a elaboração de hipóteses sobre as causas e os fatores de modulação das diferentes disfunções sexuais.

Salmo Zugman

Diretor do Instituto de Terapias Cognitivas – IPTC

Médico Psiquiatra – ABP

Terapeuta Cognitivo-Comportamental – FBTC

41 3022-2947
WhatsApp: (41) 9 9263-2977
contato@iptc.net.br

SEDE INSTITUCIONAL
Rua Emiliano Perneta, 822 sl 1201
Centro, Curitiba / PR

SEDE ADMINISTRATIVA
Rua Emiliano Perneta, 10 sl 603
Centro, Curitiba / PR

IPTC - Instituto Paranaense de Terapia Cognitiva.