Modelo de Laudo Psicológico: Tudo Que Você Precisa Incluir!

Modelo de Laudo Psicológico: Tudo Que Você Precisa Incluir!

O profissional da Psicologia pode usar as diversas avaliações psicológicas disponibilizadas pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP) no exercício da sua função, como forma de ajudar a firmar um diagnóstico e/ou apoiar nas intervenções feitas ao longo do tratamento do paciente. O modelo de laudo psicológico está entre essas avaliações.

Dessa maneira, a avaliação psicológica pode ser definida como o processo técnico-científico de coleta de dados, estudos e interpretação de informações a respeito dos fenômenos psicológicos, que são produto da relação do sujeito com a sociedade. 

Uma vez que existem vários tipos de testes psicológicos, os resultados podem ser configurados em diferentes modelos de laudo psicológico. É justamente sobre eles que vamos conversar nesse texto, então continue a leitura.

O que deve ter em um modelo de laudo psicológico?

O primeiro ponto fundamental em um laudo psicológico é a boa escrita. O laudo deve apresentar redação bem estruturada e definida, expressar o que objetiva comunicar e apresentar ordenação que permita a compreensão do leitor. 

Dessa forma, é importante que o profissional consiga respeitar os parágrafos, frases e demais elementos linguísticos para tornar o conteúdo de fácil entendimento para o solicitante. Tudo isso, sem abrir mão de elucidar pontos técnicos no decorrer do texto, desde que estejam acompanhados das explicações e/ou conceituação retiradas dos fundamentos teórico-filosóficos que os sustentam.

Tendo isso em mente, é preciso respeitar a estrutura padrão de um laudo psicológico, que é composta por cinco elementos: identificação, descrição da demanda, procedimentos, análise e conclusão.

1. Identificação

É a parte superior do primeiro tópico do documento com a finalidade de identificar:

  • a pessoa que elaborou o laudo (nome dos profissionais que realizaram a avaliação, com os respectivos números dos registros no Conselho Regional);
  • o solicitante (cliente, empresas ou Justiça, por exemplo);
  • o assunto/finalidade (acompanhamento psicológico, prorrogação de prazo para acompanhamento ou outras razões pertinentes a uma avaliação psicológica).

2. Descrição da demanda

Após feita a identificação, a etapa seguinte consiste na descrição das informações referentes à demanda apresentada pelo solicitante e os motivos, razões e expectativas por trás da solicitação do laudo. 

Dessa forma, é descrita, também, a análise feita pelo profissional de Psicologia acerca da demanda, de modo a justificar o procedimento adotado.

3. Procedimento

Essa é uma parte bem detalhada, pois é necessária descrição de todos os recursos e instrumentos utilizados para coletar as informações. Sendo assim, é preciso ter o número de encontros realizados, quantas pessoas foram ouvidas e tempo de duração do teste (caso haja subtestes, é preciso detalhá-los também)

Ademais, é importante ressaltar que o procedimento adotado deve ser pertinente para avaliar a complexidade do que está sendo demandado.

4. Análise

É a parte do documento na qual o profissional elabora uma exposição descritiva de forma metódica, objetiva e fiel dos dados colhidos e das situações vividas relacionados à demanda em sua complexidade.

Nessa exposição, deve-se respeitar a fundamentação teórica que sustenta o instrumental técnico utilizado, bem como princípios éticos e as questões relativas ao sigilo das informações. 

Deve ser relatado apenas o que for necessário para o esclarecimento do encaminhamento, como disposto no Código de Ética Profissional do Psicólogo. Dessa forma, ainda não é o momento de fazer afirmações sem sustentação em fatos e/ou teorias, devendo ter linguagem precisa, especialmente quando se referir a dados de natureza subjetiva, expressando-se de maneira clara e exata.

5. Conclusão

Nesse ponto, a conclusão do documento, será exposto o resultado e/ou considerações a respeito da investigação realizada por meio das referências que subsidiaram o trabalho. Essa etapa representa a integração de dados da descrição da demanda e os resultados considerados na análise. 

Assim, após a narração conclusiva, o documento é encerrado, com indicação do local, data de emissão, assinatura do psicólogo e o  número de inscrição no CRP.

Modelo de laudo psicológico

Existem laudos que são solicitados especificamente para fins jurídicos, que, muitas vezes, abordam questões relativas ao grau de comprometimento devido à lesão/disfunção cerebral e prognóstico.

Por isso, eles podem ter objetivo de analisar a custódia de crianças, as competências cognitivas e socioemocionais, dentre outras. Da mesma forma, as autoridades podem solicitar esse tipo de avaliação para analisar a possibilidade de diminuição da responsabilidade criminal, de acordo com Hebben & Milberg (2010).

Ademais, existe o laudo neuropsicológico no contexto hospitalar, que deve apresentar as mesmas seções do laudo clínico, porém com particularidades relativas ao contexto, como a maior demanda de brevidade e de conclusão focal ante a demanda. 

Assim, outra possibilidade é a elaboração de laudo para fins escolares, que pode estar concentrada em dois objetivos: i) laudo neuropsicológico clínico para hipóteses diagnósticas cognitivas quanto à aprendizagem escolar ou ii) laudo originado de uma triagem escolar.

Independentemente do fim para que o laudo será destinado, ele deve sempre seguir as diretrizes mencionadas no tópico anterior. Ao seguí-las, o laudo ficará semelhante ao modelo a seguir:

(Modelo retirado do livro “Elaboração de Laudos Psicológicos: Um guia descomplicado” do autor Robson Costa)

Autor: Rockson Costa Pessoa – CRP 20/03665 

Interessada: Beatriz Assunção Venâncio 

Idade: 40 anos 

RG: 134376764-4 

Estado civil: Solteira 

Escolaridade: Ensino médio completo 

Profissão: Auxiliar Administrativa 

Assunto: Avaliação psicológica relacionada à queixa no comportamento mnemónico 

1. Descrição de demanda 

No dia 12 de fevereiro de 2015, a paciente B. A. V, 40 anos, solteira e residente na cidade de Manaus, procurou atendimento psicológico em virtude de estar apresentando, nos últimos quatro meses, agravo no componente mnemónico. No referido atendimento, observou-se que a paciente aparentava estar visivelmente extenuada e muito desatenta. Na realização da entrevista clínica e coleta de itens da anamnese, sendo considerado o estabelecimento de rapport, alguns dados importantes foram verificados.

Informou que nos últimos cinco meses tem estado muito preocupada por conta de problemas relacionados ao campo de trabalho e que, por mais que não faça uso de medicamentos, apresenta sono reduzido nesse período. Outro dado que merece destaque é o fato de a provanda afirmar que sempre apresentou muita ansiedade, a ponto de ter baixo rendimento nas provas mesmo quando sabia o assunto.

Dessa forma, no tocante à sua história pregressa, não foram observados elementos que corroboram sem a queixa atual, nem há, no histórico indícios clínicos que predissesse a dificuldade de memória.

Por isso, com base nessas informações, optou-se pela escolha dos testes Inventário de Ansiedade (BAI), Teste Dígitos-WAIS III, Figura Complexa de Rey (FCR),.Teste de Atenção Dividida (TEADI), Teste de Atenção Alternada (TEALT e Teste de Atenção Concentrada (TEACO-FF).

2. Procedimentos 

Antes do início da avaliação psicológica, que ocorreu em uma única sessão, foi averiguado se a provada estava a submeter-se aos instrumentos psicológicos, uma vez que foi considerada competente para realizá-la. Iniciou-se a avaliação com aplicação do instrumento BAI, sendo empregados sete minutos para sua execução. Em seguida, aplicou-se o teste dígitos, em que foi despendido um tempo de dez minutos (compreendendo ordem direta e inversa do instrumento). 

Dando prosseguimento, foi empregada a Figura Complexa de Rey padrão cópia e, após ser considerado o tempo limite de três minutos do instrumento, aplicou-se o padrão memória. Para a realização desses dois momentos em FCR, foi utilizado um tempo de nove minutos pela provanda. Em seguida foram aplicados os testes TEADI e TEALT (sendo respeitados os tempos limites de cinco minutos e dois minutos e 30 segundos, respectivamente). O último instrumento foi o TEACO-FF, levando 8 minutos para realizar a tarefa. 

3. Análise 

Dessa forma, com base na apreciação dos dados obtidos com a avaliação, é prudente afirmar que a provanda apresenta grau moderado de ansiedade e considerável déficit atencional. Em contrapartida, seu desempenho mnemônico, que foi a queixa desencadeadora desse processo, foi satisfatório. No instrumento BAI, alcançou pontuação de 26 pontos, o que lhe atribui classificação moderada de ansiedade. 

Na avaliação do componente atenção, observa-se que a paciente apresentou significativo comprometimento. Na atenção concentrada, avaliada pelo instrumento TEACO-FFe, na atenção alternada, pelo instrumento TEALT, a provanda obteve respectivamente, percentil 20 e 10, o que lhe conferiu classificação inferior no desempenho dos referidos componentes atencionais. 

Já na atenção dividida, mensurada pelo teste TEADI, obteve percentil 20, o que lhe atribui classificação média inferior. No teste dígitos (ordem direta e inversa), obteve percentil 16, que lhe confere classificação média inferior, o que endossa o comprometimento atencional, bem como o comprometimento na memória de trabalho. Entretanto, apresentou excelente desempenho na memória imediata e visual, obtendo percentil 80 e classificação superior.

4. Conclusão 

É muito comum os pacientes informarem que têm comprometimento de memória quando, na verdade, o déficit está no funcionamento da atenção, conforme observado no deficiente desempenho de sua atenção. Para consolidação da memória, é necessário que o comportamento atencional esteja adequado, pois, quando apresenta comprometimento, impede a consolidação de novas informações, o que gera a falsa impressão de memória prejudicada. Uma vez que seu desempenho mnemônico foi satisfatório.

Dessa maneira, no caso em questão, a ansiedade demonstra ser fator preponderante para esse prejuízo no campo atencional. A classificação de ansiedade moderada atribuída pelo instrumento BAI reforça essa afirmação, uma vez que estudos sugerem que a ansiedade interfere na atenção (MASCELLA et al., 2014;COSTA;BORUCHOVITCH, 2004).

Ainda em relação à ansiedade, é importante salientar que estudos demonstram que mulheres no climatério são mais suscetíveis à ansiedade (PEREIRA, SCHMITT; BUCHALLA, 2009), do mesmo modo que pesquisas demonstram ser as mulheres as maiores vítimas da ansiedade (FREEMAN; FREEMAN, 2014).

Por isso, considera-se necessário acompanhamento médico e psicológico para a resolução ou atenuação dos comportamentos desadaptados. 

Indicação: acompanhamento psicológico 

Encaminhamento: médico ginecologista

Aprenda a fazer um laudo psicológico na prática

Agora que você já conheceu mais sobre laudos, que tal contar com a ajuda do IPTC para você aprender na prática como realizar laudos psicológicos?

O IPTC conta com um dos mais tradicionais cursos de Neuropsicologia do Brasil, e totalmente voltado para um conteúdo prático, onde você aprende realizando. Você terá acompanhamento individual de especialistas para sanar todas suas dúvidas.

Ao sair do curso, você saberá as etapas necessárias para elaboração de um laudo e estará totalmente seguro para realizar com seus pacientes.

Conheça mais sobre nossos cursos clicando aqui!

Referências

COSTA, E.D.; BORUCHOVITCH, E. Compreendendo relações entre estratégias de aprendizagem e a ansiedade de alunos do ensino fundamental de Campinas. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 17, n.1, p. 15-24, 2004. 

FREEMAN, D; FREEMAN,J. Ansiedade. São Paulo: L&PM Editores, 2014. 

MASCELLA, V et al. Stress, sintomas de ansiedade e depressão em mulheres com dor de cabeça. Boletim Academia Paulista de Psicologia, v. 34, n. 87, p. 407-428, 2014. 63 Rockson Cose 

PEREIRA, W. M. P. et al. Ansiedade na infância e fatores associados. Revista brasileira de crescimento humano, v. 19, n. 1, p. 89-97, 2009. 

Manaus, 17 de fevereiro de 2015 

Rockson Costa Pessoa Psicólogo – CRP 20/0376789

O laudo psicológico é direcionador

O laudo psicológico é um documento extremamente importante para a prática clínica, pois é uma ferramenta fundamental para tomada de decisão, seja no sentido de direcionamento a uma abordagem de tratamento ou para decisões jurídicas e/ou escolares.

Contudo, para que consiga exercer sua função de forma total e realmente eficaz, precisa seguir uma série de diretrizes, que vão desde a forma da escrita, quanto à disposição em que as informações serão distribuídas.

Gostou desse texto? Então nos siga no Instagram para mais conteúdos de Psicologia!

41 3022-2947
WhatsApp: (41) 9 9263-2977
contato@iptc.net.br

SEDE INSTITUCIONAL
Rua Emiliano Perneta, 822 sl 1201
Centro, Curitiba / PR

SEDE ADMINISTRATIVA
Rua Emiliano Perneta, 10 sl 603
Centro, Curitiba / PR

IPTC - Instituto Paranaense de Terapia Cognitiva.