O que é a Terapia do Esquema

O que é a Terapia do Esquema

A Terapia do Esquema (TE) é uma abordagem integrativa, sistemática e estruturada. Seu início foi como uma extensão da Terapia Cognitiva para o tratamento de transtornos de personalidade, mas desde então desenvolveu uma identidade própria. A TE utiliza vários conceitos e métodos derivados de outras escolas. Entre elas da Gestalt e da psicanálise. Da integração resultou um modelo unificado, maior que a soma de diferentes partes.

Como surgiu a Terapia do Esquema?

O desenvolvimento da terapia do esquema (TE) começou a partir de uma preocupação de Jeffrey Young com pacientes que apresentavam problemas interpessoais de longa duração, relacionados com transtornos de personalidade. Esses pacientes apresentavam dificuldades para se beneficiarem do modelo de tratamento da Terapia Cognitivo-Comportamental de curta duração.

O que é Terapia do Esquema
Foto: Jeffrey Young no Insipire 2016 ISST Viena Conference

Em quais casos e como ela é usada?

O novo modelo procura atender padrões mal adaptativos complexos de longa duração e dá maior consideração a fatores atuantes na infância, muitas vezes já atuantes durante o período pré-verbal. Uma maior ênfase é dada na utilização de técnicas de imagens, vivenciais e interpessoais. Essas técnicas permitem a abordagem de aspectos emocionais e de mais difícil acesso. Outra distinção é a visão da relação terapêutica como instrumento de mudança, através da utilização de estratégias de reparentalização limitada e de confrontação empática.

       A terapia do esquema tem base firme na teoria do apego ou da vinculação, conforme formulada por John Bowlby. A teoria realça a importância para um recém nascido estabelecer um relacionamento com, pelo menos um, cuidador primário para que seu desenvolvimento social e emocional ocorra normalmente. Segundo Jeffrey Young, surgem as patologias básicas de personalidade quando necessidades emocionais básicas não são atendidas na infância. No modelo da TE, são cinco os domínios emocionais descritos pelo modelo: desconexão/rejeição, autonomia e performance prejudicadas, estabelecimento prejudicado de limites, orientação para terceiros e hipervigilância/inibição.

Quais casos ela consegue tratar e qual seu tempo de duração?

Hoje está comprovada cientificamente a eficácia da Terapia do Esquema no tratamento do transtorno de personalidade boderline. Ela também tem sido estudada para os transtornos narcisista e antissocial de personalidade.  Sua aplicação foi estudada para outros problemas crônicos ou caraterológicos, como os transtornos do uso de substâncias, transtornos alimentares e problemas de casais. A TE geralmente é bem aceita pelos pacientes, pode ser empregada em grupos e em trabalhos preventivos com crianças e adolescentes. A TE geralmente dura dois a três anos, o que a define como terapia de média a longa duração.

O que são os Esquemas Iniciais Desadaptativos (EIDs)?

Os esquemas foco da Terapia do Esquema são chamados de Esquemas Iniciais Desadaptativos (EID). Eles são formados a partir da interação entre o temperamento pessoal com um ambiente que não atende necessidades emocionais básicas. São esses esquemas disfuncionais que medeiam o aparecimento e a manutenção dos padrões problemáticos complexos e duradouros. Até o momento foram descritos 18 EIDs. Cada um representa algum tema amplo sobre si mesmo e sobre a relação pessoal com terceiros. Compreendem memórias, emoções, cognições, sensações corporais e são disfuncionais em um grau significativo.

Quando e como eles se manifestam?

    Os EIDs aparecem quando os pais ou outros cuidadores primários são caracterizados como emocionalmente frios, imprevisíveis, hostis ou invasivos. Os padrões cognitivos formados são derrotistas, resistentes e com papel formador na identidade. As emoções negativas que acompanham são intensas e os métodos empregados para lidar com elas geralmente são disfuncionais. Eles reforçam e contribuem para a perpetuação dos esquemas. Paradoxalmente, o EID se torna obstáculo para a satisfação das mesmas necessidades envolvidas em sua formação e na obtenção de uma vida mais significativa.

O que é Terapia do Esquema

Um exemplo aplicado de EID

       Para descrever os ciclos de perpetuação dos EIDs, consideraremos agora o caso de uma criança hipotética. Que não teve satisfeita necessidades relacionadas com os domínios emocionais de desconexão/rejeição e de autonomia e performance prejudicadas. Ela pode desenvolver pensamentos “não sou uma pessoa desejada”, “não tenho importância para minha família” e “sou alguém que não faz nada direito”. Esses pensamentos tiveram uma função na infância e aceitos como verdadeiros pela pessoa. Permanecendo submetida a eles, ela ficará sem a necessidade por um vínculo estável satisfeita e terá relacionamentos inseguros durante toda sua vida adulta. Também tenderá a escolher relacionamentos com pessoas ou situações que confirmem seus esquemas. Por exemplo. Dificilmente se dedicará o suficiente para ter sucesso em algum ramo de atividade.

       A pessoa pode também tentar evitar situações que ativem seus esquemas ou agir de forma oposta, em uma tentativa de compensar o esquema. A submissão, a evitação e a hipercompensação são estratégias de enfrentamento disfuncionais. Em curto prazo elas impedem o indivíduo de sentir emoções ou ativar memórias negativas. Mas ao longo prazo, todas elas contribuem para a manutenção dos EIDs.

Inovação na Terapia do Esquema

     Uma recente inovação da terapia do esquema é o conceito de modo. Modo esquemático é um conjunto de esquemas e suas operações de enfrentamento que estão ativas em um dado momento. Além disso, compões os modos fragmentos dissociados de memórias da infância. Eles são considerados estados mentais ou diferentes partes da mesma pessoa. Os esquemas podem ser vistos como traços permanentes e os modos como estados mais ou menos temporários, e que se sucedem uns aos outros. A variação entre modos explica as mudanças, abruptas e contrastantes, que podem ocorrer em pacientes com a personalidade não bem integrada. Uma formulação clínica que contemple os modos capacita o terapeuta a trabalhar efetivamente essas intensas variações emocionais.

       O terapeuta pode escolher entre focar nos esquemas ou nos modos. Com clientes com queixas menos extensas e explicadas por até três EIDs, o trabalho focado em esquemas tende a ser suficiente. Em casos complexos, com várias operações esquemáticas ativas a cada momento, o trabalho com modos pode ser particularmente útil. Exemplos são os transtornos de personalidade boderline.

Objetivos da Terapia do Esquema

    Independentemente que o foco seja nos esquemas ou nos modos, os objetivos da TE permanecem os mesmos. Ou seja, propiciar o autoconhecimento e diminuir as interferências causadas por reações emocionais desadaptativas, respostas cognitivas derrotistas e padrões comportamentais inflexíveis. É também objetivo estabelecer e reforçar modos de enfrentamento mais adaptativos e os aspectos adultos sadios. Dessa forma o indivíduo rompe os mecanismos de manutenção dos EIDs e adquirem condições de suprir necessidades básicas, atingir objetivos maiores e ter uma vida liberta dos grilhões do seu passado.

Leve seus tratamentos para um próximo patamar com a TE

   Agora que você já conheceu mais sobre a Terapia do Esquema, que tal contar com a ajuda do IPTC para você aprender na prática como tratar os seus pacientes?

   Temos diversos cursos, especializações e workshops, todos voltados para um conteúdo prático. O nosso foco é que você saia totalmente seguro para atender, depois de aprender aplicando o conteúdo.

   E além disso, você terá um impacto ainda maior na qualidade de vida dos seus pacientes.

   Conheça mais sobre nossos cursos clicando aqui!

Redação

Salmo Zugman

Diretor do Instituto Paranaense de Terapia Cognitiva – IPTC

Médico Psiquiatra – CRM 10.869

Terapeuta certificado pela Federação Brasileira de Terapias Cognitivas – FBTC

Fontes

Eshkol Rafaeli, David P. Bernstein & Jeffrey Young. Schema Therapy: Distinctive Features. Rotledge Taylor & Francis Group. London and New York, 2011.

Jeffrey E. Young. Terapia Cognitiva para Transtornos de Personalidade – 3 a. Edição.: Uma Abordagem Focada no Esquema. Artmed. Porto Alegre, 2003.

41 3022-2947
WhatsApp: (41) 9 9263-2977
contato@iptc.net.br

SEDE INSTITUCIONAL
Rua Emiliano Perneta, 822 sl 1201
Centro, Curitiba / PR

SEDE ADMINISTRATIVA
Rua Emiliano Perneta, 10 sl 603
Centro, Curitiba / PR

IPTC - Instituto Paranaense de Terapia Cognitiva.