3 melhores técnicas de TCC para autoconhecimento

3 melhores técnicas de TCC para autoconhecimento

As técnicas de TCC para o autoconhecimento é um tema central para várias demandas que aparecem na psicoterapia. O autoconhecimento é essencial para o desenvolvimento de comportamentos saudáveis frente a vários tipos de situações diferentes. 

Contudo, ainda que sua importância seja conhecida pela grande parte das pessoas, não é de um dia para noite que conseguimos realmente nos conhecer. O terapeuta tem, então, um desafio na clínica, devendo ajudar o paciente a, ainda que pouco a pouco, se conhecer melhor. 

Existem várias técnicas que podem ser utilizadas na terapia para que isso aconteça e nesse artigo vamos te contar algumas delas. Continue a leitura e saiba as técnicas da TCC para autoconhecimento.

Autoconhecimento: conceito e importância

Podemos entender o autoconhecimento como nome dado ao ato de investigar a si mesmo, com foco no descobrimento de traços da sua própria personalidade, visão de mundo, valores e preceitos, bem como objetivos pessoais e profissionais.

No universo da Psicologia, a noção de autoconhecimento foi apresentada por Baum (1999) se relacionando com o conceito de introspecção. De acordo com ele, o indivíduo, ao construir o autoconhecimento, é capaz de observar também os próprios pensamentos, ideias, percepções e sensações que compõem o cenário interno mental

Várias teorias surgiram (e ainda surgem) no campo científico que tentam entender saídas para que o autoconhecimento se torne realidade para o indivíduo. As teorias mentalistas, por exemplo, afirmam que o isolamento é a única saída para que aquele indivíduo realmente se conheça.

Contudo, Skinner defende a ideia contrária, evidenciando a relação do autoconhecimento com o convívio social. Ao analisar a definição da palavra autoconhecimento, entende-se que a palavra consciência é originária do latim com-science, se referindo ao conhecimento com os outros. 

O autoconhecimento seria, então, a consciência de si e se reporta ao conhecimento de si com os outros, pois a palavra auto não se trata do conhecimento produzido por si mesmo, mas sim a que ele se refere.

Skinner (1974) defende que o autoconhecimento tem origem social, visto que o mundo privado de uma pessoa só se torna interessante para ela quando é importante para os outros ao seu redor. Dessa forma, quem tem autoconhecimento pode ser capaz de está em controlar e prever o seu próprio comportamento.

3 técnicas da TCC para autoconhecimento

Existem diversas técnicas que podem ser utilizadas para o desenvolvimento do autoconhecimento de um paciente. Contudo, todas irão se basear em um conceito: o autocontrole. 

A definição de autocontrole se baseia na ideia de que o indivíduo é o diretor das suas próprias ações. Caballo (1999) propõe que pensamos no autocontrole como se fôssemos duas pessoas, sendo que um emite respostas problemáticas e outro que observa, analisa e modifica o comportamento disfuncional do primeiro. 

O autocontrole é atrelado ao autoconhecimento por ser entendido como uma série de comportamentos governados por regras. As técnicas de autocontrole e, consequentemente, de autoconhecimento, são baseadas em regras, ou seja, o indivíduo analisa a relação funcional de seu comportamento, podendo desenvolver regras para modificá-lo. 

Não existe um manual de regras que podem e não podem ser usadas para trabalhar o autoconhecimento, pois isso dependerá de cada paciente e de cada demanda. Contudo, seguem algumas que podem te auxiliar nesse processo:

1. Definição do legado

O objetivo dessa técnica, que pode ser realizada com adolescentes e adultos é possibilitar ao cliente, além do autoconhecimento, a discriminação entre sua atuação pessoal e profissional para auxiliar nas tomadas de decisões.

Para realizá-la, o terapeuta deve orientar o cliente sobre os objetivos da técnica e guiá-lo em exercícios para trabalhar a respiração consciente, solicitando que o cliente respire num ritmo de 5 vezes, acalmando e tranquilizando pouco a pouco. 

Em seguida, o terapeuta deve explicar ao cliente que ele deve falar as respostas que vem à sua mente conforme cada pergunta, sem censurar, nem julgar, apenas verbalizar. Em paralelo, o terapeuta fica com a responsabilidade de anotar as respostas. 

As reflexões abaixo podem ser feitas para incitar a análise: 

  • De modo geral, pelo que você deseja ser lembrado?
  • Qual o significado da sua vida, para você?
  • Liste no mínimo cinco das suas principais qualidades
  • Relate as suas maiores aprendizagens na sua vida

Após anotar todas as respostas, o terapeuta fará a leitura em voz alta, pedindo para que, ao final, o cliente valide e faça suas considerações sobre o seu legado. Isso permite a busca da clareza para as tomadas de decisões futuras na área pessoal e profissional. 

2. Régua do humor

O propósito dessa técnica é fazer com que o paciente consiga ver suas alterações de humor e identificar os gatilhos que as desencadeiam.

Para isso, o terapeuta deve orientar o cliente sobre os objetivos da técnica e apresentar o modelo abaixo para que seja preenchido, para ser utilizado pelo tempo que for necessário. É interessante que o paciente sempre traga o modelo preenchido e atualizado para as sessões, para que seja possível a análise e avaliação conjunta com o terapeuta. 

3. Quebra de crenças limitantes

O terapeuta deve começar definindo a crença central do cliente. Após ter a confirmação do paciente acerca da sua crença central limitante, o terapeuta pode iniciar o enquadramento dela, por meio de perguntas específicas conforme o quadro a seguir:

Ao finalizar o enquadramento, o terapeuta pedirá ao paciente para escolher uma cor que define essa crença/pensamento para, em seguida, ser orientado a transformá-la num objeto, pedindo para que explique o sentido de cada um deles para o cliente. 

Depois o terapeuta deve pedir ao cliente para escolher uma frase afirmativa positiva, que será a crença apoiadora, para usar no lugar daquela crença limitante. Assim, o terapeuta enquadra a nova crença no mesmo instrumento do modelo, fazendo as mesmas perguntas. 

Ao finalizar o novo enquadramento, o terapeuta pedirá novamente para que o cliente escolha uma cor que define essa crença/pensamento. Feito isso, o paciente deverá transformá-la num objeto, explicando o sentido de cada um deles para o cliente. 

Essa técnica propõe o autoconhecimento a partir da visualização das consequências reais produzidas pelas crenças limitantes e da evidência das crenças apoiadoras. 

Autoconhecimento e a terapia

O autoconhecimento é um dos pontos mais importantes da terapia cognitiva comportamental, pois esbarra em  questões emocionais que causam algum tipo de sofrimento aos pacientes. Além disso, o autoconhecimento potencializa o tratamento de quadros como depressão e ansiedade.

Através das técnicas de TCC para autoconhecimento, o paciente aprende a fazer explorações, questionamentos e discussões sobre seus sentimentos e situações, sendo encorajado a refletir sobre o seu papel em cada aspecto de sua vida. 

Levando seus tratamentos para um próximo patamar

Como você viu no texto, a Terapia Cognitiva-Comportamental (TCC) é muito utilizada em clínicas. E que tal você se tornar um especialista no assunto para poder impactar ainda mais a vida de seus pacientes?

O IPTC conta com um curso de TCC totalmente voltado para a prática! Você terá aulas sobre o assunto com uma estrutura e metodologia validadas por nossos +1.000 alunos.

Conheça mais sobre a especialização em Terapia Cognitiva-comportamental.

41 3022-2947
WhatsApp: (41) 9 9263-2977
contato@iptc.net.br

SEDE INSTITUCIONAL
Rua Emiliano Perneta, 822 sl 1201
Centro, Curitiba / PR

SEDE ADMINISTRATIVA
Rua Emiliano Perneta, 10 sl 603
Centro, Curitiba / PR

IPTC - Instituto Paranaense de Terapia Cognitiva.