Neuropsicologia e esquizofrenia: saiba como funciona

Neuropsicologia e esquizofrenia: saiba como funciona

Os transtornos da personalidade, como a esquizofrenia, podem ter seu tratamento potencializado com ajuda da neuropsicologia. Os pacientes desse quadro tendem a manifestar sintomas que refletem o comprometimento em alguns aspectos importantes da vida do indivíduo.

Existem diversas maneiras de tratar um paciente com esquizofrenia e todas as abordagens são perfeitamente capazes de ajudar o indivíduo nesses casos. Contudo, a neuropsicologia tem, enquanto vantagem, o entendimento mais aprofundado dos processos mentais, se aproximando da raiz do problema.

Continue a leitura para entender a atuação da neuropsicologia na esquizofrenia.

O que é a neuropsicologia?

A neuropsicologia tem como definição o estudo da relação entre o cérebro e o comportamento. Foi consolidada em meados de 1980, sendo considerada uma ciência recente, mas que tem ganhado força ao redor de todo o mundo no tratamento de transtornos psiquiátricos.

Trata-se de uma especialidade da psicologia que faz interface com a neurologia, tendo como foco a influência da estrutura e funcionamento cerebral com o comportamento humano. Nos primórdios da sua existência, acreditava que alterações cerebrais localizadas afetariam processos mentais específicos. No entanto, hoje se preocupa com aspectos qualitativos, relacionados com as lesões e com aspectos globais quantitativos, sem referência direta com uma estrutura neuronal subjacente.

O que é esquizofrenia?

A esquizofrenia é categorizada como uma doença mental crônica e incapacitante. Normalmente, se manifesta na adolescência ou dos 20 aos 30 anos de idade. É um quadro que acomete cerca de 1,6 milhão de brasileiros, com a proporção de 1 a cada 100 pessoas.

Ela pode ser entendida como um transtorno mental grave que gera mudanças e diversos tipos de impactos no modo como o indivíduo pensa, sente e se comporta socialmente. Nesse sentido, há um abalo nas funções mentais daquele paciente, bem como a desestruturação psíquica.

Seus sintomas mais comuns são as alucinações, delírios, dificuldades no raciocínio e alterações no comportamento como indiferença afetiva e isolamento social.

Neuropsicologia: como pode ajudar na esquizofrenia?

A neuropsicologia tem como foco a relação entre cérebro e comportamento, tendo reconhecida eficácia no tratamento de pessoas com esquizofrenia, visto que se trata de uma doença mental que afeta diversos aspectos cognitivos.

O comprometimento cognitivo na esquizofrenia pode se caracterizar por problemas de:

  • atenção;
  • concentração;
  • memória;
  • aprendizagem;
  • linguagem;
  • funções executivas;
  • tendência à maior lentidão para realizar tarefas. 

Nesse contexto, qualquer tipo de comprometimento cognitivo interfere em vários aspectos da vida do paciente, seja nas atividades rotineiras, seja nos relacionamentos e na vida profissional. 

A avaliação neuropsicológica, por exemplo, é uma ferramenta utilizada pela neuropsicologia para avaliar o funcionamento cognitivo do indivíduo. É um procedimento bem frequente na clínica, pois consegue entender melhor como o paciente detém atenção, memória, aprendizagem, linguagem e funções executivas.

Os principais objetivos dessa avaliação são entender as habilidades e as dificuldades do paciente e, com relação ao neuropsicólogo, ajudar no planejamento do processo terapêutico específico para esse paciente.

Assim, essa parceria se torna capaz de promover a descoberta de formas alternativas para compensar as dificuldades encontradas. Além disso, a reabilitação cognitiva proposta pela neuropsicologia é outra ferramenta poderosa no tratamento de pacientes com esquizofrenia.

Aspectos cognitivos e esquizofrenia

Os estudos neuropsicológicos sobre a esquizofrenia são fundamentais para o entendimento dos possíveis comprometimentos dos pacientes. Vários estudos foram publicados ao longo dos anos, abordando o quadro psiquiátrico sob várias lentes. Contudo, era indiscutível o fato de que alguns aspectos cognitivos eram prejudicados. Eles são:

Atenção 

Os estudos neuropsicológicos demonstraram que pacientes esquizofrênicos apresentam desempenho mais deficitário em virtude de distúrbios de atenção presentes no quadro. Contudo, é preciso entender que o conceito de atenção perpassa por vários componentes.

Ainda não é consenso no meio científico sobre qual aspecto da atenção é precisamente afetado, ainda que seja mais comum as evidências de maior dificuldade nos aspectos “de controle” ou “voluntários” da atenção, por serem incapazes de manter a atenção em tarefas de vigilância ou apresentarem maior dificuldade em manter a atenção em uma fonte de informação em detrimento da outra.

Ademais, é discutida a apresentação de certa dificuldade particular em reter respostas consideradas como inapropriadas. Sendo assim, a neuropsicologia consegue potencializar a investigação do nível de comprometimento da atenção e quais aspectos específicos dela são mais evidentes para cada paciente. 

Memória

Sempre foi discutida a memória no campo da neuropsicologia. Porém, é um aspecto cognitivo que tem ganhado cada vez mais interesse e atenção dos estudiosos. A principal queixa dos pacientes é uma possível amnésia que pode estar relacionada a vários âmbitos da memória. 

Os estudos apontam a maior apresentação de comprometimento em situações que seja necessário a evocação em detrimento do reconhecimento. Contudo, a memória processual e semântica não costumam apresentar impactos negativos.

Linguagem

A compreensão da linguagem não apresenta forte evidência nos pacientes com esquizofrenia. A questão, entretanto, se fundamenta no comprometimento dos outros em entender o que é dito por ele.  

Os estudos voltados para a produção de linguagem na esquizofrenia apontam que os níveis mais básicos de processamento tendem a se manter intactos. Sendo assim, a fonologia, a semântica e a sintaxe são geralmente normais. 

O mesmo não acontece com os níveis superiores, representados pelos processos de planejamento da fala e comunicação por meio de linguagem. A consequência disso é diretamente no âmbito social da vida do paciente, que não consegue ser compreendido corretamente em grande parte das situações. 

Funções executivas 

A habilidade de abstração e flexibilidade conceitual envolvidas na resolução de problemas é uma das dificuldades cognitivas mais observadas nos pacientes. O teste neuropsicológico  “Wisconsin card sorting test” (WCST) consegue, por exemplo, identificar o desempenho de indivíduos nesse sentido, sendo responsável por elucidar que ele se torna relativamente mais pobre em pacientes com esquizofrenia, quando comparado com pessoas sem a doença. 

Outros estudos apontam que essa dificuldade em agir e fazer coisas relativamente simples, acaba provocando um número elevado de respostas erradas e uma maior frequência de erros de perseverança.

Os comprometimentos cognitivos causados pela esquizofrenia são evidentes. Nesse cenário, a neuropsicologia aparece como solução para o tratamento clínico realmente eficaz. 

A avaliação neuropsicológica permite a identificação do mapa cognitivo de cada paciente para, assim, dar bagagem suficiente para que o neuropsicólogo e a equipe multidisciplinar envolvida consiga estruturar um tratamento que seja capaz de minimizar os impactos cognitivos.

Levando seus tratamentos para um próximo patamar

Agora que você já conheceu mais sobre neuropsicologia, que tal contar com a ajuda do IPTC para se especializar na área?

Temos diversos cursos, especializações e workshops, todos voltados para um conteúdo prático. O nosso foco é que você saia totalmente seguro para atender, depois de aprender aplicando o conteúdo.

E além disso, você terá um impacto ainda maior na qualidade de vida dos seus pacientes.

Conheça mais sobre nossos cursos clicando aqui!

41 3022-2947
WhatsApp: (41) 9 9263-2977
contato@iptc.net.br

SEDE INSTITUCIONAL
Rua Emiliano Perneta, 822 sl 1201
Centro, Curitiba / PR

SEDE ADMINISTRATIVA
Rua Emiliano Perneta, 10 sl 603
Centro, Curitiba / PR

IPTC - Instituto Paranaense de Terapia Cognitiva.