Kendall (Ken) Roy e uma análise de esquemas

Kendall (Ken) Roy e uma análise de esquemas

Dados de História e Características de Personalidade

Kendall Roy é o segundo filho do segundo casamento de Logan Roy. Tem 40 anos de idade, é separado e tem dois filhos. Foi o Chefe Global de Operações da Waystar Royco e estava sendo preparado para suceder o pai como CEO da empresa. Entretanto não há previsão de quando a mudança de cargos poderá ocorrer.

Estudou em Harvard e nesta época iniciou o uso de cocaína. Desde então, esteve internado diversas vezes em clínicas de reabilitação para drogadição. Mesmo assim seu estudo lhe deu condições para elaborar diversos planos para melhorar os processos internos da empresa e para prepara-la para os novos desafios do futuro. Entretanto teve dificuldades para implementá-los, porque Logan não confia em sua capacidade e não foi apoiado por seus irmãos e outros executivos.

Foi casado com Rava Roy, uma advogada independente e bem sucedida. Uma das causas da separação foi as recaídas no uso de drogas, principalmente em situações de stress. Outra causa foi o costume de Ken de não compartilhar com a esposa seus sentimentos pessoais, problemas familiares e o andamento dos negócios. Financeiramente não deixa faltar nada para seus filhos, mas Ken é um pai ausente, porque viaja muito e sempre está envolvido pela administração da empresa. Após o término do casamento, iniciou alguns relacionamentos amorosos, geralmente de pouca duração. 

Logan ocupa um papel central na vida de Kendall Roy, a quem busca constantemente agradar ou ter seu respeito. Eventual sucessor de seu pai, Kendall cumpre todas as suas determinações. Apesar de muitas vezes elas poderem ser vistas como moralmente comprometedoras. Algumas vezes, no cumprimento a contento de suas tarefas, pode se tornar excessivamente exigente e mesmo agressivo com seus subalternos.     

Kendall considera-se, mesmo assim, o membro mais ético da família Roy. Em alguns momentos, parece envergonhar-se de sua família. Entre outras medidas, já planejou destituir Logan pai do cargo de CEO. Mas todas suas iniciativas não deram certo e foram seguidas de remorsos, arrependimentos ou recaídas no uso de drogas. E nesses momentos, como castigo, Logan costuma afastá-lo afastado do convívio da família.

Kendall é um homem perdido, que frequentemente parece nem conhecer seus próprios gostos. Em momentos de indecisão, em busca de amparo e companhia, pode buscar a proximidade de outras pessoas. Algumas vezes parece optar por soluções fáceis ou superficiais, principalmente quando as considerar serem as mais populares. 

Mesmo assim, Kendall é uma pessoa criativa e que já demonstrou ter dons musicais. E na esfera administrativa, se esforça para estar atualizado, é aberto a inovações e quando pode, procura orientar-se pelo correto.

Esquema de Emaranhamento/Self Subdesenvolvido

Pacientes com esse esquema sentem um envolvimento emocional intenso e grande proximidade com uma pessoa significativa, ao custo de sua individualização e desenvolvimento social normal. 

O outro, com quem o paciente geralmente está emaranhado, é um dos pais ou alguma figura parental, como o irmão mais velho, chefe ou melhor amigo. Às vezes, a fusão de personalidade é tão importante, que se torna difícil distinguir onde começa a identidade de um e onde termina a do outro. 

Muitos desses pacientes acreditam que nem eles, nem a figura parental, poderiam sobreviver emocionalmente sem o apoio constante entre eles. Eles chegam a contar tudo que lhes ocorre para a outra pessoa e esperam reciprocidade. Eles sentem que precisam desesperadamente do outro, mas esse sentimento tende a não ser compartilhado, o que pode ser causa de frustração. 

Eles acreditam ser errado estabelecer limites e sentem-se culpados quando o fazem. Esses pacientes, para manter as conexões com a figura parental, abrem mão de suas identidades. Quando os pacientes de alguma maneira tentam separar-se da outra pessoa, podem sentir-se inundados de culpa ou então desamparados de forma avassaladora. Esses pacientes podem buscar algum líder carismático com quem possam se fusionar.

As características descritas acima referem-se ao componente emaranhamento do esquema. Existe também o componente self subdesenvolvido, uma ausência total de identidade, que os pacientes frequentemente descrevem como uma sensação de vazio. Pacientes com essa parte do esquema sentem como se estivessem perdidos, à deriva no mundo. Eles não sabem quem são, não têm formadas suas preferências ou desenvolvido seus talentos únicos.    

Os dois componentes do esquema geralmente se complementam.  Alguns pacientes podem ter o self não desenvolvido, sem o emaranhamento. Entretanto, os pacientes emaranhados quase sempre têm um self subdesenvolvido como consequência. Suas opiniões, interesses, escolhas e objetivos são meros reflexos da pessoa com quem estão fusionados. É como se a vida da figura parental fosse mais real para eles do que a deles própria. Buscando o contato constante com a figura parental, reprimem todos os pensamentos, sentimentos e comportamentos discrepantes. 

Estilos de enfrentamento perante o esquema de emeranhamento/self subdesenvolvido:

  1. Submissão: Imita os comportamentos da figura parental, como a maneira de falar e se portar. Procura manter contato próximo com o “outro emaranhado”.  Busca de segurança fusionando-se com os desejos, necessidades e demandas de outros.  
  2. Evitação: Evita intimidade afetiva, durante seus relacionamentos tenta permanecer independente. Para relacionamentos, busca pessoas que dão preferência para suas próprias individualidades.
  3. Supercompensação: De muitas maneiras, busca tornar-se o oposto do outro emaranhado. 

Citações de Kendall Roy

Kendall Roy alterna momentos em que se submete às diretrizes de Logan, com outros onde busca a individualização de sua personalidade. Nesses últimos momentos, pode incialmente ficar eufórico ou arrogante. Por exemplo, uma vez em que foi apoiado por seus irmãos para ser o novo CEO da companhia, comemorou: “Me deem uma porra de metralhadora, que vou expulsar e assumir o lugar de Logan”. E uma vez, após ter confrontado publicamente seu pai, comentou com seus ajudantes que sua popularidade estava melhor que a de Logan: “O nome do jogo agora é tweet bom, tweet ruim”. 

Mas Ken não se conhece bem. Demonstra ambivalência para enfrentar seu pai: “Ele me ama. É isso. Eu somente penso que não é a forma correta de expressar seu amor”. Uma vez, em discussão com seu pai, para receber sua parte em dinheiro, já que fora afastado da empresa, comentou: “Sou melhor que você. Você é, você sabe, e odeio ter que dizer isso, porque eu te amo, mas você é um tipo de pessoa maligna”. 

Quando confrontado, Logan costuma afastar Ken de seu convívio. Nesses momentos, Ken sente-se desamparado: “Estou absolutamente solitário, me sinto completamente arrasado”. E a avaliação de si mesmo piora: “Não sou uma pessoa boa, sou ruim”. Também pode tentar se acalmar, sem muito sucesso: “Eu sou uma pessoa boa”, para a seguir retrucar: “Estou dizendo isso, mas não acredito”. Ken também procura se justificar para seus irmãos: “Sou a versão ética de Logan” e “Não sou um homem-bomba”.

Perspectivas Futuras de Ken para a Quarta Temporada

Ao término da última temporada, Logan afastou Kendall e os irmãos da administração da empresa, após uma tentativa fracassada de destituí-lo do cargo de CEO. Isso pode significar, para Kendall, que é melhor nunca se opor às vontades de seu pai. O que resultaria em um fortalecimento do esquema Emaranhamento/Self Subdesenvolvido e de sua ligação com Logan. 

 Fonte:

Terapia do Esquema: Guia de Técnicas Cognitivo-Comportamentais Inovadoras. Jeffrey E Young, Janet S. Klosko e Marjorie E. Weishaar. Editora Artmed, 1ª edição em português, Porto Alegre, 2008.

41 3022-2947
WhatsApp: (41) 9 9263-2977
contato@iptc.net.br

SEDE INSTITUCIONAL
Rua Emiliano Perneta, 822 sl 1201
Centro, Curitiba / PR

SEDE ADMINISTRATIVA
Rua Emiliano Perneta, 10 sl 603
Centro, Curitiba / PR

IPTC - Instituto Paranaense de Terapia Cognitiva.