Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade: O que é, Sintomas e Tratamento

Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade: O que é, Sintomas e Tratamento

O que é Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade?

O transtorno do déficit de atenção com hiperatividade é um transtorno caracterizado pela inquietação, falta de atenção e agitação motora. A impulsividade também pode aparecer, havendo interrurpções na fala de outros, e inpaciência para realizar suas atividades até o fim.

Ele aparece na infância, mas pode perdurar durante toda a vida adulta. Geralmente aparece com mais frequência em meninos.

É frequente que os sintomas sejam refletidos em um pior desempenho acadêmico, e consequente impacto na esfera social da criança, por conta de brincadeiras e atribuição de rótulos pejorativos.

Sintomas e Diagnóstico

De acordo com o DSM-V, são especificados alguns sintomas e critérios para que seja feito o diagnóstico da doença. Iremos tratá-los abaixo:

Apresentar um padrão persistente de desatenção, hiperatividade e impulsividade que interfere no funcionamento e desenvolvimento do indivíduo.

Desatenção

As características de desatenção, devem atender pelo menos seis dos seguintes sintomas e persistirem por pelo menos 6 meses, sendo eles:

  1. Não prestar atenção em detalhes, cometendo erros no trabalho ou escola por descuido
  2. Apresenta dificuldade para manter a atenção
  3. Frequentemente parece não escutar quando alguém conversa
  4. Não cumpre as instruções até o final ou não consegue terminar as atividades atribuídas
  5. Possui dificuldade para organizar suas tarefas
  6. Não consegue ou evita se envolver em atividades que possuam uma carga mental prolongada
  7. Perde materiais necessários para realizar suas atividades
  8. Facilmente distraído por estímulos externos
  9. Esquece as atividades que são obrigações e atividades cotidianas

Hiperatividade

Quanto a hiperatividade, há os seguintes critérios diagnósticos, que devem ocorrer de forma frequente:

  1. Remexer ou batucar com os pés ou mãos, ou se contorcer na cadeira
  2. Levantar da cadeira em momentos que espera-se que permaneça sentado
  3. Correr ou subir nas coisas em situações em que isso é inapropriado
  4. Incapacidade de brincar ou se envolver em atividades de lazer de forma calma
  5. Apresenta um comportamento de estar sempre ligado, de “não parar”, sente desconforto de ficar muito tempo parado.
  6. Falar demais
  7. Responde as perguntas antes que elas sejam concluídas, ou termina a frase dos outros
  8. Possui dificuldade para esperar sua vez
  9. Interrompe ou se intromete em conversas dos outros, utiliza pertences dos outros sem que seja dada permissão.

Para que seja realizado esse diagnóstico, também é necessário que vários sintomas tenham estado presentes antes dos 12 anos de idade.

Eles também devem estar presentes em mais de um ambiente, seja na escola, em casa, no trabalho ou com amigos.

É preciso também que sejam observadas evidências de que os sintomas intereferem no funcionamento social, acadêmico ou profissional. Ou que haja redução na qualidade de vida do paciente.

Quem mais sofre com o transtorno?

Vistos os sintomas e o diangóstico de uma forma mais ampla acima, iremos abordar quais pessoas mais sofrem com o TDAH e as diferenças do caso para crianças e para adultos.

Crianças

É mais comum que crianças sejam mais acometidas pelo transtorno do déficit de atenção com hiperatividade. Geralmente os pais são notificados ou notam, e queixam-se da falta de atenção dos filhos nas aulas, da inquietação em sala de aula (não conseguem ficar sentadas). O esquecimento também faz parte do quadro nas crianças, que esquecem o material escolar, os recados e o conteúdo estudado.

Além disso, esse comportamento hiperativo pode refletir em um pior desempenho escolar, por conta da dificuldade de concentração e foco em apenas uma atividade.

Em casa, também podem apresentar os sintomas, ficando inquietos em momentos de lazer (assistir televisão), tendo dificuldade para se relacionar e comportar-se com a família em festividades.

Adultos

No caso dos adultos, os sintomas aparecem com maior dificuldade para planejar e organizar as atividades no dia a dia. Isso acontece principalmente na falta de priorização de quais atividades são mais importantes de serem realizadas.

Nesse caso, há também maior estresse quando são designadas muitas tarefas, e a pessoa não consegue definir por onde começar. Com o medo de não conseguir terminar, começam diversas tarefas ao mesmo tempo, e acabam não voltando para finalizar, o que faz com que realmente não completem todas as tarefas.

Também possuem dificuldades para realizar as tarefas sozinhos, necessitando que outros fiquem os lembrando.

Todos esses fatores podem causar problemas no trabalho, nos relacionamentos e nos estudos.

Consequências do Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade

Como consequência do transtorno do déficit de atenção com hiperatividade, como visto acima, podem aparecer em diversos campos da vida de cada paciente. E que, caso não haja um acompanhamento profissional e um tratamento adequado, pode prejudicar a qualidade de vida.

Profissional

No campo profissional, a perda de produtividade é um fator que chama atenção. Como a pessoa possui dificuldade para se concentrar em suas atividades e dispersa muito fácil, sua produtividade fica comprometida. Das tarefas que lhe são atribuídas, ela pode deixar de cumprir algumas ou boa parte. Em casos que o trabalho seja entediante, isso pode acontecer de forma mais acentuada. Por conta disso, há um grande risco da pessoa não entregar o que foi esperado. Essa situação pode vir a gerar conflitos, desentendimentos e até mesmo em casos mais sérios a demissão do funcionário.

Pessoal

No campo pessoal também há riscos de conflito. A pessoa com déficit de atenção com hiperatividade pode ser alguém difícil de lidar. Como ela aparenta estar sempre agitada, interrompendo as falas, podem apresentar dificuldades para lidar com pessoas que não sejam tolerantes a esses comportamentos.

Acadêmico

Além disso, o meio acadêmico também pode ser afetado por conta do transtorno. Com maior dificuldade para se concentrar e manter a atenção, o aluno tende a reter menos informações passadas em sala de aula, por exemplo. Na hora do estudo individual, as distrações do ambiente e falta de interesse também no assunto também podem impactar de forma negativa o desempenho.

Tratamento para o Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade

Para o tratamento do transtorno do déficit de atenção com hiperatividade são geralmente utilizadas psicoterapia e medicamentos.

Psicoterapia

A psicoterapia pode ser realizada com a Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) e tem como objetivo reforçar as mudanças de comportamento e desenvolver hábitos mais saudáveis para o paciente. Com o passar do tempo, o paciente vai ganhando mais confiança, sentindo-se mais seguro e se tornando independente.

No caso das crianças, é essencial que haja diálogo entre a família, escola e a equipe de saúde para que todos possam contribuir no tratamento.

==> Quer se tornar um especialista em Terapia Cognitivo-Comportamental? Clique aqui!

Medicamentos

Além da psicoterapia, também podem ser recomendados alguns medicamentos, de acordo com o caso. O medicamento mais comum para o tratamento do transtorno é o Metilfenidato, mais conhecido como Ritalina.

A medicação possui o objetivo de reduzir alguns sintomas apresentados, como a impulsividade e desatenção.

Geralmente os efeitos positivos do remédio aparecem após algumas semanas de uso, e os efeitos colaterais dos remédios costumam aparecer de forma leve e no início do tratamento. Entre elas estão insônia, falta de apetite, dores abdominais e dores de cabeça.

É importante ressaltar, porém, da grande importância de um acompanhamento psiquiátrico e especializado. O profissional é que deve determinar e dosar o medicamento de acordo com cada caso.

41 3022-2947
WhatsApp: (41) 9 9263-2977
contato@iptc.net.br

SEDE INSTITUCIONAL
Rua Emiliano Perneta, 822 sl 1201
Centro, Curitiba / PR

SEDE ADMINISTRATIVA
Rua Emiliano Perneta, 10 sl 603
Centro, Curitiba / PR

IPTC - Instituto Paranaense de Terapia Cognitiva.